Descobriram mais um feudo: o fundamental II

Reportagem especial do Jornal Folha de S. Paulo chama atenção para uma etapa do ensino obrigatório do Brasil, que tem sido praticamente ignorada pelo debate sobre a qualidade da educação: o ensino fundamental II. Com muita razão, a matéria recebeu o título de Etapa Invisível. Pelo menos, era, até agora.

Relembrando: a educação obrigatória no Brasil vai da educação infantil, que começa aos 4 anos, e segue sem interrupções até o ensino médio, que deve ser concluído até os 17 anos (e 11 meses). Isso significa que todas as pessoas nessa faixa etária deveriam estar matriculadas e frequentando alguma escola. Sabemos que não estão, muito menos na idade adequada.

O problema que o jornal resolveu expor é real, mas gostaria de propor aqui uma explicação adicional ao que foi apresentado na matéria. Sim, é uma fase em que a escola faz uma transição brutal para os alunos, que é passar de um único professor, em geral uma mulher, para um grupo de professores “estranhos”, cada um cobrindo uma disciplina diferente. Além disso, a etapa escolar que vai dos 11 aos 14 anos coincide com o início da adolescência, fase na qual os alunos perdem o vínculo afetivo com o adulto regente da classe para concentrar-se na obsessão da idade, que é formar seus próprios grupos sociais entre seus pares etários.

Mas, peraí! Essa lógica de múltiplos professores e adolescência é a mesma no mundo todo. Por que só aqui temos uma educação tão ruim que faz com que:

  1. a) os alunos praticamente não aprendam nada depois que saem do Fundamental I (antigo primário),
  2. b) deixa os indicadores de desempenho estagnados há anos e
  3. c) comece a “expulsão em massa” dos alunos das escolas?

Analisando os currículos das escolas brasileiras, inclusive das particulares de elite, descobrimos (eu e a Paula Louzano) que, de maneira sistemática, quase não se ensina NADA aos alunos no Fundamental I. A lógica é “poupar” os alunos do “horror” que é aprender a ler, a escrever, analisar textos, a falar em público e a fazer contas, como fazem, há anos, seus colegas de países desenvolvidos.

Inúmeras vezes já dei os mesmos exemplos aqui, mas vale repetir. Enquanto os alunos de países desenvolvidos aprendem a ler e escrever pequenos textos curtos, compostos por frases simples, por volta dos 6 anos, a proposta brasileira é segurá-los até os 8 anos. A noção de metade, 1/4 e 1/8, gráficos de barras e similares, que são aprendidos pelos alunos ainda na educação infantil, só aparecem na vida dos brasileiros no 3º ano do Fundamental I. Quando se chega no Fundamental II, parte-se direto para a notação desses conceitos e aí as crianças “boiam” mesmo! Há um vácuo educacional na educação infantil e no Fundamental I. Para os docentes e seus formadores no Brasil, a educação só começa mesmo no Fundamental II.

Um problema que também é bem brasileiro é a fragmentação das etapas escolares, que agrava todos os demais equívocos sistemáticos do setor por aqui. É o seguinte: a educação escolar no Brasil ainda não é tratada como um processo contínuo e necessariamente cumulativo, que tenha uma progressão clara de aprendizado. Foram constituídos feudos virtuais, que, como na Idade Média, são comandados por castelos de torres altas cercadas por muralhas protetoras. A educação infantil é o patinho feio – conta com docentes com a formação menos “sofisticada”. Na ponta oposta está o ensino médio, que (com sorte) recebe professores com formação mais complexa, quase a casta abençoada dos professores universitários, sonho de consumo de todo docente, principalmente se for em uma instituição pública, com todas as vantagens que a função proporciona.

Cada etapa tem uma lógica própria, estrelas próprias e um desprezo profissional velado com as etapas anteriores, que faz com que seus membros raramente, apenas como exceção, unam forças para planejar o ensino ou mesmo a transição pedagógica entre elas. Do Fundamental II para a frente, quando os professores são obrigatoriamente especialistas por disciplina, nem dentro da mesma série se comunicam, apenas por estarem em campos diferentes do conhecimento e por serem, em geral, horistas e sem um vínculo forte com as comunidades escolares nas quais ensinam.

A explicação que gostaria de propor para o problema da má qualidade da educação básica brasileira é que ela começa a aparecer com mais gravidade quando o aluno conclui o ensino médio sem saber nada, ou no vergonhoso desempenho do Pisa aos 15 anos, e até no abandono escolar em massa, mas ele é gerado já na educação infantil. Agora descobriram o Fundamental II como um novo feudo, oportunidade de negócios ou nicho de atuação institucional, inclusive com propostas esdrúxulas como o ensino integral na rua, fora da escola. Falaremos disso aqui em outra oportunidade, mas a questão é que o ensino é contínuo, cu-mu-la-ti-vo e que as crianças de países desenvolvidos já são beneficiadas com educação de alta qualidade que leva em conta as descobertas da Neurociências. Tratar alunos da educação infantil como intelectualmente incapazes dá ótimo resultado: eles viram mesmo, continuar achando que crianças de menos de 10 anos são “café-com-leite”, idem. Mas não é esse resultado o que o País deseja, portanto, temos que mudar nossas premissas. Vamos ensiná-los desde cedo que eles são inteligentes e capazes e eles responderão!

 

Uma resposta

  1. moises espirito santo | Responder

    A considerar a gestão precária sempre,tanto familiar,quanto governamental!

Obrigada por enviar seu comentário objetivo e respeitoso.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: