Arquivos Mensais: maio \14\UTC 2018

Operação Prato Feito e o desepenho da alfabetização nos municípios de São Paulo

Imagino que qualquer pessoa que tenha visto as reportagens sobre a Operação Prato Feito tenha ficado roxo de indignação! Quem milita na área, então, como eu, chegou a sair fumacinha das orelhas…

https://g1.globo.com/sp/itapetininga-regiao/noticia/operacao-prato-feito-relatorio-da-pf-aponta-que-unidade-de-ovo-foi-comprada-a-r-1215-em-tiete.ghtml

https://g1.globo.com/sp/campinas-regiao/noticia/operacao-prato-feito-policia-federal-e-cgu-fazem-buscas-na-regiao-de-campinas.ghtml

http://agenciabrasil.ebc.com.br/justica/noticia/2018-05/pf-atualiza-numeros-da-operacao-prato-feito

No site do Ministério Público Federal foi publicada uma lista com as cidades onde encontraram irregularidades:

A Operação Prato Feito detectou irregularidades nas cidades de Águas de Lindoia, Araçatuba, Araras, Barueri, Caconde, Cosmópolis, Cubatão, Embu das Artes, Holambra, Hortolândia, Itaquaquecetuba, Jaguariúna, Laranjal Paulista, Leme, Mairinque, Mauá, Mogi Guaçu, Mongaguá, Monte Mor, Paulínia, Peruíbe, Pirassununga, Registro, São Bernardo do Campo, São Paulo, São Sebastião, Sorocaba, Tietê, Várzea Paulista, Votorantim.

Resolvi entender como estão os resultados educacionais dessas cidades citadas em seu conjunto e destacar três delas. Uma vez que não temos conhecimento exatamente há quanto tempo esses esquemas estavam sendo operados em cada cidade, apenas uma indicação geral da PF e MPF de que eram esquemas, longevos, ativos por mais de 20 anos, escolhi as cidades de Monguaguá, Barueri e Embu das Artes, porque nas reportagens sobre o caso apareceram questões que chamaram a minha atenção. Resolvi olhar o resultado delas mais de perto:

a) Mongaguá – onde a PF encontrou um expressivo volume de dinheiro em espécie ;

b) Barueri – cidade com PIB percapita dos mais altos do Estado (R$ 182 mil – 11º no ranking do País) e onde a Prefeitura tem sido envolvida em questões com a polícia e a Justiça de maneira recorrentealém das supeitas levantadas na Operação;

c) Embu das Artes – onde além de envolvimento nesta operação específica, o Prefeito encontra-se envolvido em graves suspeitas.

Então vamos aos dados. Em primeiro lugar, em relação ao conjunto do Brasil e às escolas do Estado de São Paulo. O gráfico a seguir mostra que, para a alfabetização, medida pela ANA de 2016, os alunos de mais baixa renda em escolas de municípios incluídos na Operação Prato feito (OPF) estão, aparentemente, em desvantagem em relação aos seus pares do Estado de São Paulo, mas não em relação ao restante do Brasil, onde há muitas escolas com resultados piores. Abaixo de 525 pontos a criança mal compreende o que lê no 3º ano do ensino fundemantal.

ANA_2016_BRZ_SP_PF_NSE

Em Barueri, uma cidade “rica” com PIB percapita de R$182 mil, mas onde 34,5% da população conta com renda familiar de até 1/2 SM poderia oferecer educação de melhor qualidade à sua população mais pobre, como se vê no gráfico. Mas o que se vê é que as melhores escolas com alunos de NSE mais baixo (17 – médio baixo e 18 médio) apresentam desempenho pior que seus pares no Estado de SP.

ANA_2016_BRZ_SP_PF_NSE_Barueri

O que também ocorre em Embu das Artes e em Mongaguá:

ANA_2016_BRZ_SP_PF_NSE_Embu

ANA_2016_BRZ_SP_PF_NSE_Mongagua

Muitas informações podem ser tiradas das bases de dados públicas, como essas que geraram os gráficos acima, mas será importante conhecer melhor a duração e o escopo das falcatruas envolvendo escolas nesses (e em outros, óbvio) municípios. Os gráficos mostram que se pode fazer mais, com menos. E que alunos de NSE baixo em outras cidades fora do Estado de São Paulo e fora da OPF apresentam desempenho melhor que estas. Quanto mais transparência, melhor!

 

O “strike” do Ceará no analfabetismo escolar e as novidades para 2018

Não é novidade que o Estado do Ceará vem melhorando muito a capacidade de alfabetização das escolas municipais que estão em seu território, por meio de um Regime de Colaboração que realmente funciona. A pesquisadora Catarina Segatto mostrou isso em sua tese e em artigos acadêmicos.

O que é interessante, do ponto de vista da educação, é ver, no detalhe, como um Estado pobre, muito mais pobre que os do Sudeste e Sul em termos de PIB percapita e de renda média da população, que, como sabemos tem alta relação com os resultados dos alunos, induz práticas de qualidade em seus 184 municípios, que é onde a educação realmente acontece. No Ceará a educação é praticamente 100% municipalizada nas duas etapas do ensino fundamental, para além da creche e educação infantil.

Hoje vou mostrar exemplos de materiais didáticos de alta qualidade que o Governo Estadual disponibiliza para “seus” municípios. E, como estão na internet, para quem mais quiser usar, inclusive escolas particulares, muitas delas ainda com dificuldade de alfabetizar seus alunos logo no início da escolarização.

O gráfico a seguir mostra as notas da Avaliação Nacional de Alfabetização (ANA), que é aplicada aos alunos de 3º ano das redes públicas do Brasil. Em azul, as notas das escolas do Brasil como um todo, em verde só as do Ceará. As notas estão distribuídas pelo nível socioeconômico médio das escolas, informação que consta da base de dados da ANA de 2016. Como se vê, alguns dos alunos mais pobres do Ceará alcançam proficiência em leitura melhor que os seus pares de NSE alto ou mto alto de outros estados.

ANA_2016_BRZ_CE_NSE_Scatter

Eles fazem isso com uma série de políticas de indução, que inclui premiações, pareamento de escolas muito boas com as que precisam de mais ajuda e repasses condicionados das cotas de ICMS. Isso tudo está explicado pela Catarina Segatto. O que eu quero mostrar hoje são os materiais que o Estado disponibiliza no site do Programa de Alfabetização na Idade Certa (PAIC) na internet. É meio complicado de achar e é possível que educadores que não são do Estado nunca tenham ouvido falar nesses materiais, para os quais hoje gostaria de indicar o caminho.

O site completo é este aqui, mas os materiais de alfabetização do PAIC estão aqui. E a novidade que me fez escrever este post são os planos de aula novos de 2018, que levam em conta o currículo do Estado e a BNCC (mais o primeiro que o segundo!!). São planos de aula completos para 8 semanas de aula no caso de Língua Portuguesa e 4 para Matemática, para todos os anos do ensino fundamental 1. Está tudo ali, explicadinho em detalhes, desde como organizar a semana:

Plano_Aulas_Semanal

Até a organização de cada dia de atividades pedagógicas em si, que mostram como os alunos deverão ser alfabetizados, já sendo estimulados a ler textos autonomamente ao final do segundo mês de aulas do 1º ano, evoluindo para textos mais desafiantes e interessantes e respondendo questões idem a cada ano. No material do 1º ano não estão incluídos os textos, mas o Estado já tinha disponibilizado um conjunto deles anteriormente aquiaqui aqui.

Muito legal! Valeu Ceará!