Autor Arquivo: Ilona Becskeházy

Agora a onça vai beber água…

Gostaria de agradecer aos ouvintes do Missão Aluno da CBN, aos leitores do blog e aos que acompanham o meu twitter os comentários super educados e relevantes que enviaram. Vocês me ajudaram a refinar minha opinião sobre a questão da Competência 5 do ENEM, aquela em que o candidato deve “Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos”.

Eu tinha dito que achava melhor eliminar a análise da competência 5 dos critérios de correção da redação. Obviamente não porque seja contra a garantia dos direitos humanos, mas porque acho (mas fui convencida de que é importante tentar consertar) que é muito difícil estabelecer critérios objetivos para a correção desse quesito. Mas, uma vez vencido esse desafio, a existência de uma competência que faça os candidatos  (e também, a sociedade brasileira, dada a penetração que o exame tem nas famílias brasileiras) refletirem sobre um dilema ou questão de política pública nacional pode ser um interessante mecanismo de conscientização social.

Entretanto, quero deixar claro que eu ainda acho que zerar a redação toda por causa de apenas uma das 5 competências é um absurdo. Outro absurdo é o candidato, diferentemente de outros concursos, não poder apresentar recurso contra a sua nota de redação, como costuma ser corriqueiro em outros certames no Brasil. Ver item abaixo do edital de 2017:

15.4 O PARTICIPANTE poderá ter acesso à vista de suas provas de redação, exclusivamente para fins pedagógicos, após divulgação do resultado, em data a ser divulgada na Página do Participante: http://enem.inep.gov.br/participante.

E nem mesmo conseguir ter acesso às várias notas que as 3 instâncias de correção da redação

Vejam aqui esta reclamação de um candidato solicitando à AGU o acesso a todas as suas notas e a AGU explicando na sua decisão que QUALQUER CANDIDATO tem direito a ver todas as suas notas garantido por meio da Lei da Transparência.

Assim, vou expor mais alguns detalhes da questão para mostrar como é urgente resolver o problema da explicitação dos critérios de correção não só desta competência, mas das demais. Assim como seria bom que o INEP divulgasse o gabarito completo das questões objetivas. Isso significa não só divulgar as letras de cada questão, mas a razão pela qual uma alternativa é a melhor entre todas, sem nenhuma sombra de dúvida. Nos concursos, isso normalmente só acontece quando há um recurso, mas deveria ser a regra. Principalmente em uma prova tão amplamente disseminada entre pessoas não técnicas como o ENEM.

Por que o ENEM é um concurso, em cuja classificação está em jogo a vaga em uma entidade de ensino superior, porque essa vaga é um inegável passaporte a uma vida profissional com grau mais alto ou mais baixo de remuneração e satisfação pessoal futura e porque esse passaporte tem um valor mais alto ou mais baixo a depender do prestígio do curso decorrente ao acesso a essa vaga, cada ponto nas provas desse certame têm um valor intrínseco. Haja vista os inúmeros casos de tentativa de fraudar a prova envolvendo valores substanciais na obtenção criminosa de vagas.

Enquanto algumas vagas mais “valiosas” estiveram fora da competição do ENEM, os formadores de opinião não davam muita importância ao valor de cada ponto na prova. Mas agora que parte das vagas de cursos mais concorridos da USP (incluindo Medicina) será selecionada por esse conjunto de provas, pode ser que aumente o interesse por detalhes sobre como as notas são atribuídas e como esses resultados se comportam em relação a várias caraterísticas dos candidatos.

Mesmo que a maior parte das vagas para os cursos de maior “prestígio” ainda seja preenchida pelo tradicional vestibular da FUVEST ou outros vestibulares isolados e até avaliações como o International Baccalaureate, e que as vagas do SISU/ENEM sejam para cotistas, que justamente precisam das cotas para compensar notas potencialmente mais baixas, é inegável que haverá um aumento do fluxo de candidatos mais competitivos, mesmo entre cotistas.

Aliás, vai ser interessante verificar o comportamento das notas desse grupo em relação ao restante do ENEM e qual o perfil socioeconômico dos contemplados – nem todos os potenciais cotistas são necessariamente pobres (em Medicina na USP, as 50 ou 8,6% das vagas para o SISU estão assim distribuídas: 10 para candidatos de ampla concorrência, 25 para candidatos que concluíram ensino médio em escola pública e 15 para candidatos da rede pública que se autodeclararem pretos, pardos e indígenas). Mas a questão é que é possível que aumente a tensão em relação aos critérios de correção em 2018.

Neste post vou continuar a mostrar que há questões sérias a serem melhor analisadas na correção das redações e que a explicitação de seus critérios será uma necessidade (ou uma exigência, se o Judiciário resolver atuar) em breve. O pano de fundo ainda é a celeuma em torno da Competência 5, pois é na correção dessa competência que as dúvidas em relação à correção ficam mais evidentes. Mas em relação aos benefícios de manter uma competência de escrita que exija um certo tipo de opinião e um certo tipo de solução para problemas sociais que o próprio Poder Executivo Federal não consegue resolver, como já disse, estou ficando convencida que talvez seja um dos poucos casos positivos de jabuticaba de política pública brasileira.

SE o INEP conseguir explicitar os critérios de correção e juntar à campanha de informação sobre o certame explicações sobre frases/formulações que não podem ser usadas na redação porque caracterizam ofensa aos direitos humanos, pode significar algo bastante educativo para nossos jovens. Mas o caso exige total transparência daqui para a frente. Até aqui estou ainda achando duas coisas:

a) há sim algum viés ideológico na correção das provas – consultem os guias de redação desde 2012, onde estão exemplos das redações nota 1000, e tirem suas conclusões a respeito das conclusões propostas, que, obviamente, podem não ser unanimidade entre os especialistas de cada área;

b) quem burla essas diretrizes não explícitas e escreve os que os corretores querem ler são os candidatos mais bem informados sobre critérios de correção que não estão disponíveis a todos os candidatos – não estou convencida de que quem tira as notas mais altas na competência 5 sejam grandes protetores de direitos humanos, mas aí já é bem mais difícil de avaliar. É apenas uma especulação, porque a se julgar distribuição das notas, mostrada a seguir, alguém poderia chegar a absurda conclusão de que pessoas pobres são contra os direitos humanos…e que as não pobres, são suas defensoras!

Vamos aos números (são da base de dados de 2015 disponibilizada pelo INEP):

Entre os alunos que compareceram à prova de Linguagens e Códigos em 2015, as notas extremas estão distribuídas conforme a tabela abaixo – percebe-se claramente que a competência que realmente discrimina as notas mais altas é a competência 5, que é também a que mais atribui nota zero (a tabela seguinte apresenta dos dados completos):

Competência 1 Competência 2 Competência 3 Competência 4 Competência 5
Até 40 pontos 2,0% 2,6% 2,8% 2,9% 26,6%
A partir de 160 ponto 16,4% 10,6% 9,7% 13,2% 5,0%
Distribuição dos participantes presentes no ENEM de 2015 pelas notas em cada uma das 5 competências da redação
Contanto apenas alunos com presença na prova de LC
NOTA Competência 1 Competência 2 Competência 3 Competência 4 Competência 5
   Zero      78.445 77.442 79.662 81.950 420.782
     20    2.716     5.487 8.144 239.726
     25                 2         208            231            467
     34                 3               42
     40         30.382         68.886         74.909         74.269       832.632
     50               140               180 1.0650 1.2290      1.030
     60         67.400       133.572       146.661       135.449       757.909
     67           1.183           1.120
     75               16               25             245             291             348
     80       619.727       894.204    1.237.329       920.012    1.268.627
    100       740.737       877.295    1.007.715       918.731       730.059
    120    2.428.674    2.517.014    2.100.502    2.174.894       856.673
    125             151             163             548             475             346
    133           2.164           2.329
    134                 5                 1
    140       732.240       455.010       426.075       565.009       235.529
    150             323             293           1.136             742             376
    160       850.686       466.271       387.610       536.121       192.464
    167             368             275
    175             148             142             120             117             100
    180         55.811         72.290         80.087       108.532         52.598
    200         14.345         59.148         76.181         99.344         35.874
 Total    5.625.540    5.625.540    5.625.540    5.625.540    5.625.540

É importante chamar atenção para as notas que estão fora das faixas de nota explicitadas no guia de correção. Elas estão apontadas na tabela acima em negrito (0-40-80-120-160-200). Repito o que disse no outro post sobre o assunto: qual a diferença entre a nota 180 e 200, por exemplo? O INEP tem que explicar isso. Para o candidato é a diferença entre entrar ou não na vaga de sua escolha. Entre receber o não o seu passaporte para o futuro almejado. Proibir os candidatos de contestarem funcionou até aqui, mas pode ser que não funcione mais.

A distribuição de renda entre os inscritos (podemos assumir que é uma ampla amostra representativa da coorte de jovens interessados no ES) é a seguinte:

Até 5 SM       6.931.492 89,5%
Entre 5 e 10 SM          547.035 7,1%
Mais de 20%            77.363 1,0%

Entretanto, como já é esperado, a distribuição de renda entre os PARTICIPANTES (aqueles que se inscreverem E FIZERAM a prova) que tiram acima de 160 pontos nas competências de redação de 1 a 4 (ou seja, excetuando a 5) é diferente da “população” dos inscritos e mais concentrada nas faixas de renda mais altas. Enquanto na “população geral” dos inscritos há 7,1% de pessoas na faixa entre 5-10 SM, nas notas mais altas há 3x mais, 22,2%. O mesmo para os 1% vs. 5,9% da faixa acima de 20SM, só que 6x mais:

Até 5 SM           190.765 59,9%
Entre 5 e 10 SM             70.587 22,2%
Mais de 20%             18.824 5,9%

E a distribuição de renda dos que tiraram nota 160 ou maior na competência 5 é a seguinte. Cai um pouco a discrepância na distribuição da renda, mas SÃO MUITO MENOS PESSOAS com nota acima de 160 na competência 5 (quase 1M na competência 1 e menos de 300 mil na competência 5). Da mesma forma, o número de zeros nas competência de 1-4 gira em torno de 80 mil, mas é de 420 mil na competência 5. É óbvio que os alunos estão sendo penalizados nesse quesito!! Esses dados estão na tabela detalhada acima.

Até 5 SM       177.895 62,9%
Entre 5 e 10 SM         58.109 20,5%
Mais de 20%         15.442 5,5%

E, para finalizar meu argumento, a tabela abaixo mostra a distribuição da renda dos candidatos que tiveram nota zerada na competência 5 apesar de terem tirado nota acima de 160 nas demais competências. Das duas uma: ou chegamos à conclusão que os mais pobres são contra os direitos humanos, o que me parece absurdo, ou à conclusão de que uma competência mal formulada e mal avaliada penaliza aqueles que não têm acesso às informações privilegiadas, apesar de conseguirem fazer uma boa redação, que é a minha hipótese.

Total        2.163 100,0%
Até 5 SM        1.646 76,1%
Entre 5 e 10 SM           340 15,7%
Mais de 20 SM             43 2,0%

É preciso conhecer melhor os critérios de correção das redações do ENEM e melhorá-los

Com o tema dos critérios de correção da redação do ENEM finalmente entrando no debate público, depois de anos simplesmente sendo naturalizados pelas autoridades educacionais brasileiras e ignorados pelos interessados, é hora de esclarecer alguns pontos.

Sabemos que o Brasil é um país cheio de absurdos. Deixar que as vagas da educação superior sejam preenchidas levando em conta a opinião do candidato sobre um tema da atualidade é apenas mais um. Mas, parece que chegou a hora de abrir a janela para deixar o sol entrar e arejar as ideias.

Vejam, não é apenas o acesso a vagas universitárias que os participantes arriscam quando expõem sua opinião em uma redação, de acordo com os editais do certame, o mais recente deles publicado em 7/4/2017 no DOU, os resultados do ENEM servem a múltiplos propósitos, entre eles, arranjar emprego:

1.8 Os resultados do Enem deverão possibilitar:
1.8.1 a constituição de parâmetros para a autoavaliação do
PARTICIPANTE, com vistas à continuidade de sua formação e a sua
inserção no mercado de trabalho;
1.8.2 a criação de referência nacional para o aperfeiçoamento
dos currículos do Ensino Médio;
1.8.3 a utilização do Exame como mecanismo único, alternativo
ou complementar para acesso à educação superior, especialmente
a ofertada pelas Instituições Federais de Educação Superior;
1.8.4 o acesso a programas governamentais de financiamento
ou o apoio ao estudante da educação superior;
1.8.5 a sua utilização como instrumento de seleção para
ingresso nos diferentes setores do mundo do trabalho;
1.8.6 o desenvolvimento de estudos e indicadores sobre a
educação brasileira.
1.9 Facultar-se-á a utilização dos resultados individuais do
Enem como mecanismo de acesso à Educação Superior ou em processos
de seleção nos diferentes setores do mundo do trabalho.

É só ler as redações nota 1000 publicadas nos guias de redação do ENEM (2016, 2017, por exemplo) para perceber que não apenas a questão de afrontar ou não os direitos humanos que é valorizada, mas também as apresentação de soluções populares e superficiais para problemas da atualidade, como não poderia deixar de ser para a forma como a situação toda é estruturada. Afinal, são apenas alunos de 17/18 egressos da educação básica e não especialistas em políticas públicas, a fazer as provas.

Faculdades mais competitivas começam a usar o IB como opção ao ENEM. É só comparar as mobilizações cognitivas entre uma e outra avaliação para perceber por quê. Ao final deste post, há uma menção ao SAT. A citação tem o objetivo de mostrar aos leitores que há alternativa à jabuticaba de acesso ao ensino superior no Brasil, que é a Competência 5 da redação.

O argumento utilizado até por representantes do MEC e Inep para manter as coisas como são hoje, dizendo que os critérios de correção são os mesmos há muitos anos, é puro desrespeito intelectual frente a um questionamento absolutamente legítimo e relevante, mesmo que as autoridades educacionais brasileiras não concordem com os infinitos palpites sobre o tema que vem sendo dados sobre o assunto, inclusive este aqui. Mas que o assunto precisa ser melhor analisado, precisa.

Vamos à minha análise:

Os critérios são tão imprecisos, que são necessários 2, 3 e até uma banca de corretores para dar as notas da redação. Tudo isso às custas do contribuinte. O ENEM é uma política  pública sensacional, mas o fato de os critérios de correção da redação não serem claros, deixa a sua correção bastante frágil. Só não há uma confusão geral causada pelo assunto porque o Governo Federal não permite que as notas das redações sejam contestadas e também porque reina a mais absoluta ignorância sobre a importância de critérios transparentes de correção de atividades, conhecidos e disseminados em inglês pelo nome de rubrics.

Mas se alguém se aventurar a entender um pouco mais sobre a distribuição das notas, vai perceber que só teríamos a ganhar com critérios mais claros. A tabela a seguir apresenta o status da redação de 2015, segundo a correção. Vemos que quase 10 mil redações forma anuladas pela questão quente do momento – o desrespeito aos direitos humanos NO PAPEL. O que chama atenção mesmo é ver que 1/3 das redações foram entregues em branco – é um perfil interessante a se estudar (porque uma pessoa se inscreve, faz a prova e entrega a redação em branco, por exemplo) -, mas que não vem ao caso diretamente agora. O que temos é que 5,5 milhões de redações estavam aptas a serem corrigidas em 2015, conforme mostra a tabela a seguir.

Status da redação 2015  N %
Sem problemas   5.548.135,00 71,6%
Anulada         2.222,00 0,0%
Cópia Texto Motivador         6.092,00 0,1%
Em Branco   2.145.286,00 27,7%
Fere Direitos Humanos         9.936,00 0,1%
Fuga ao tema       20.765,00 0,3%
Não atendimento ao tipo         6.644,00 0,1%
Texto insuficiente         3.516,00 0,0%
Parte desconectada         2.078,00 0,0%
Não atendimento ao item 2.2.5 do edital do exame.         1.435,00 0,0%
 Total   7.746.109,00 100,0%

Vamos às categorias de análise para a correção:

Competência 1: Demonstrar domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa.
Competência 2: Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto
dissertativo-argumentativo em prosa.
Competência 3: Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.
Competência 4: Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação.
Competência 5: Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.

Como as redações são corrigidas?

Critérios de correção da Competência 1:

200 pontos – Demonstra excelente domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa e de escolha de registro. Desvios gramaticais ou de convenções da escrita serão aceitos somente como excepcionalidade e quando não caracterizarem reincidência.
160 pontos – Demonstra bom domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa e de escolha de registro, com poucos desvios gramaticais e de convenções da escrita.
120 pontos – Demonstra domínio mediano da modalidade escrita formal da língua portuguesa e de escolha de registro, com alguns desvios gramaticais e de convenções da escrita.
80 pontos – Demonstra domínio insuficiente da modalidade escrita formal da língua portuguesa, com muitos desvios gramaticais, de escolha de registro e de convenções da escrita.
40 pontos – Demonstra domínio precário da modalidade escrita formal da língua portuguesa, de forma sistemática, com diversificados e frequentes desvios gramaticais, de escolha de registro e de convenções da escrita.
0 ponto – Demonstra desconhecimento da modalidade escrita formal da língua portuguesa. (vejam porque é importante estudar quem são e o que escrevem os milhões de participantes que zeram esta competência)

As notas da COMPETÊNCIA 1 estão distribuídas das seguinte forma (em 2015):

 Distribuição percentual  Percentual acumulado
 Nota Competencia 1  com zero  sem zero  com zero  sem zero
        –                 2.196.253 28,4%   28,4%  
        20                        2.717 0,0% 0,05% 28,4% 0,05%
        25                              2 0,0% 0,00% 28,4% 0,05%
        34                              3 0,0% 0,00% 28,4% 0,05%
        40                      30.406 0,4% 0,55% 28,8% 0,60%
        50                            14 0,0% 0,00% 28,8% 0,60%
        60                      67.431 0,9% 1,22% 29,7% 1,81%
        67                        1.183 0,0% 0,02% 29,7% 1,83%
        75                            16 0,0% 0,00% 29,7% 1,83%
        80                    619.880 8,0% 11,17% 37,7% 13,01%
      100                    740.927 9,6% 13,35% 47,2% 26,36%
 Entre 100-120 40,9% 57,14%
      120                 2.429.231 31,4% 43,78% 78,6% 70,14%
      125                          151 0,0% 0,00% 78,6% 70,14%
      133                        2.164 0,0% 0,04% 78,6% 70,18%
      134                              5 0,0% 0,00% 78,6% 70,18%
      140                    732.393 9,5% 13,20% 88,1% 83,38%
      150                          323 0,0% 0,01% 88,1% 83,39%
      160                    850.948 11,0% 15,34% 99,1% 98,73%
      167                          368 0,0% 0,01% 99,1% 98,73%
      175                          148 0,0% 0,00% 99,1% 98,74%
      180                      55.825 0,7% 1,01% 99,8% 99,74%
      200                      14.348 0,2% 0,26% 100,0% 100,00%
 Total                 7.744.736
 Total sem os zeros                 5.548.483

Afora os 28,4% de zeros, que podem ser explicados por razões para além dos critérios, há fatos interessantes na distribuição das notas. São 6 faixas de notas (0, 40, 80, 120, 160, 200), de onde saem os critérios para atribuir as demais 18 notas atribuídas aos alunos – 25, 34, 67, por exemplo?

Quantos erros de ortografia, concordância e pontuação cometeram os que tiraram cada uma das faixas?? Bastava uma escala de correção e já teríamos infinitamente mais clareza nessa categoria.

Outro ponto que notamos ao analisar a distribuição das notas e que é até esperado (mas não moralmente aceitável), dada a má qualidade da instrução no Brasil, é que a maior parte das notas estivesse abaixo dos 50% de acerto (nota 100, que não existe na escala de notas, apenas os corretores sabem o que diferencia 100 das outras notas imediatamente contíguas da escala, 80 – insuficiente – e 120 – mediano).

Tirando os zeros, apenas 16% dos participantes tiraram 160 ou mais pontos na Competência 1, que indica seu domínio das regras de Gramática, depois de concluir a educação básica, isso sim é que é respeito ao direito à educação…

Mas ainda tem mais.

O problema da falta de clareza dos critérios ficou mais óbvio para a COMPETÊNCIA 5, que é muito questionável para os objetivos do certame – ranquear alunos para acesso a vagas. Como podemos julgar a capacidade de alunos de 17/18 anos proporem soluções para problemas complexos da atualidade, se nem os técnicos do governo e os políticos conseguem resolvê-los? É uma daquelas enganações fofinhas que todo mundo engole feliz. Mas que custam caro a quem não conhece bem as nuances das regras do jogo, principalmente para aqueles que não têm acesso a um professor de cursinho que lhe ensine os macetes. Sim, porque de uma redação de 3/4 parágrafos de uma pessoa que está concluindo o ensino médio só vai sair macete mesmo. Solução para os problemas e dilemas do Brasil e da humanidade é que não sai.

Basta lermos as redações nota 1000 selecionadas nos sucessivos guias de redação e vemos que é isso mesmo: “o governo deveria resolver”, “tem que ter campanha de esclarecimento”, “tem que colocar o tema no currículo das escolas” e assim vai: lugar comum em cima de lugar comum, mas parece que isso é o que os corretores consideram respeito aos direitos humanos.

A COMPETÊNCIA 5, mesmo tendo esse vício de origem, apresenta uma distribuição de notas “normal” (do ponto de vista estatístico), quando retiramos as notas = 0, o que seria esperado, se a correção respeitasse as faixas de notas propostas. De novo, apesar de não sabermos o que diferencia 80 – insuficiente – de 120 – mediana -, 20 pontos em uma redação (ou seja, receber uma nota 100, por exemplo) podem fazer a diferença entre entrar ou não em uma instituição de ensino mais concorrida.

Vejamos os critérios de atribuição de notas para a Competência 5:

200 pontos – Elabora muito bem proposta de intervenção, detalhada, relacionada ao tema e articulada à discussão desenvolvida no texto.
160 pontos – Elabora bem proposta de intervenção, relacionada ao tema e articulada à discussão desenvolvida no texto.
120 pontos – Elabora de forma mediana proposta de intervenção, relacionada ao tema e
articulada à discussão desenvolvida no texto.
80 pontos – Elabora de forma insuficiente proposta de intervenção, relacionada ao tema ou não articulada à discussão desenvolvida no texto.
40 pontos – Apresenta proposta de intervenção vaga, precária ou relacionada apenas ao
assunto.
0 ponto – Não apresenta proposta de intervenção ou apresenta proposta não relacionada ao tema ou ao assunto.

E agora a distribuição das notas em 2015, reparemos a concentração de notas nas pontuações mais baixas e em notas que não estão na escala.

 Distribuição percentual  Percentual acumulado
Nota Competência 5  com zero  sem zero  com zero  sem zero
                         –     2.538.692,00 32,8%   32,8%  
                    20,00     239.812,00 3,1% 4,61% 35,9% 4,61%
                    25,00            467,00 0,0% 0,01% 35,9% 4,62%
                    40,00     832.838,00 10,8% 16,00% 46,6% 20,61%
                    50,00         1.030,00 0,0% 0,02% 46,6% 20,63%
                    60,00     758.048,00 9,8% 14,56% 56,4% 35,19%
                    75,00            348,00 0,0% 0,01% 56,4% 35,20%
                    80,00   1.268.909,00 16,4% 24,37% 72,8% 59,57%
                  100,00     730.218,00 9,4% 14,03% 82,3% 73,60%
 Entre 100-120 20,5% 30,49%
                  120,00     856.895,00 11,1% 16,46% 93,3% 90,1%
                  125,00            346,00 0,0% 0,01% 93,3% 90,1%
                  140,00     235.614,00 3,0% 4,53% 96,4% 94,6%
                  150,00            376,00 0,0% 0,01% 96,4% 94,6%
                  160,00     192.534,00 2,5% 3,70% 98,9% 98,3%
                  175,00            100,00 0,0% 0,00% 98,9% 98,3%
                  180,00       52.614,00 0,7% 1,01% 99,5% 99,3%
                  200,00       35.895,00 0,5% 0,69% 100,0% 100,0%
  7.744.736,00 100,0%
     5.206.044,00 100,0%

Agora um outro exercício – vamos comparar a distribuição das notas acima de 160 pontos nas duas competências, a 1, que avalia se o aluno domina as regras de Gramática e a 5, que avalia se o aluno é um bom propositor de políticas públicas.

Claramente, pela correção de 2015, temos muito mais alunos que dominam as regras de Gramática (acima de 160 = 923.185 participantes), do que alunos capazes de propor políticas ou soluções para problemas brasileiros (acima de 160 = 282.785 participantes). E para concluir essa minha argumentação de que a Competência 5 deveria ser reformulada ou simplesmente retirada (eu estou convicta de que as demais dão conta do recado – ranquear os alunos para acesso ao ensino superior), vejam o seguinte:

Na “população ENEM 2015”, ou seja daqueles participantes do ENEM 2015, cujos microdados estão disponíveis no site do Inep, apenas 3,4% declaram ter renda acima de 10 SM. No entanto, para a COMPETÊNCIA 1, o contingente de participantes que tirou nota acima de 160 pontos e que declarou renda acima de 10 SM foi de 11,6% e para a COMPETÊNCIA 5, esse mesmo contingente foi de 16,5%. Então, uma possível conclusão é que não apenas as notas mais altas são conquistadas muito mais pelos não pobres (o que já é esperado, embora imoral), mas a COMPETÊNCIA 5 discrimina ainda mais os alunos pela renda. Ou seja, quem tem mais acesso a macetes sobre como escrever generalidades para agradar aos corretores, em geral por meio dos professores de cursinho, tem mais chance de entrar nas universidades mais competitivas. Estamos atrás do mérito na seleção ao ensino superior? Sim, é justo que estejamos. Mas é EXATAMENTE pela complexidade e capacidade discricionária da redação é que os critérios que a compõem deveriam ser mais claros, para que TODOS os que queiram prestar a prova possam se preparar para ela se acordo e para que o sistema educacional absorva os critérios de produção textual argumentativa competente em seus currículos. Se a competência 5 cair, ficam ainda a Gramática, a capacidade de argumentar, de organizar informações para compor um texto e de usar as estruturas textuais típicas do gênero, que são as outras competências avaliadas.

É possível fazer isso? Vamos olhar para fora?

Uma das mudanças que o ENEM deveria fazer seria usar o mesmo critério de estrutura do exame SAT americano, equivalente ao ENEM em objetivos para acesso ao ensino superior. A ideia é a mesma: avaliar se e quanto um candidato a uma vaga em uma universidade é capaz de escrever um texto argumentativo. Só que o College Board, que organiza a prova nos EUA não é tão ambicioso com a capacidade dos candidatos quanto o nosso MEC, que acha que um aluno de 17/18 anos pode sugerir soluções para problemas complexos brasileiros em uma canetada de 30 linhas. Na redação do SAT, os participantes precisam analisar um texto de aproximadamente 5000 toques, ou duas páginas, no que se refere aos argumentos de seu autor (do texto proposto) sobre um tema da atualidade, por meio de uma redação de 3/4 parágrafos (como a do ENEM).

Assim, o alunos não têm que emitir uma opinião eles mesmos sobre um tema, quer politicamente correta ou não. O candidato a uma vaga na universidade nos EUA precisa avaliar a capacidade de um autor em defender uma opinião (dele) e explicar porque, com base no que está contido NO TEXTO que faz parte das prova,  E NÃO NAS DICAS QUE RECEBEU DE SEU PROFESSOR DE CURSINHO, ou mesmo na sorte de conhecer um tema melhor que os outros. É de se supor que haja menos penalização de alunos com nível sócio-econômico mais baixo, pois o conteúdo é dado. O participante precisa demonstrar apenas a sua capacidade de análise, organização de ideias, construção textual e Gramática, exatamente as outras competências que o ENEM já avalia…

São os seguintes os critérios de correção da redação do SAT:

Leitura: uma redação competente mostra que você entendeu a passagem, incluindo a interação de idéias centrais e detalhes relevantes. Também mostra um uso efetivo das evidências textuais.

Análise: uma redação competente mostra sua compreensão de como o autor constrói um argumento, examinando o uso que o autor faz de provas, raciocínio e outras técnicas estilísticas e persuasivas e fundamentando suas explanações sobre o texto e as escolhas do autor com evidências textuais pertinentes a partir da passagem apresentada

Escrita: uma redação competente é focada, organizada e precisa, com estilo e tom apropriado que usam estruturas variadas de orações e que respeitam as convenções do inglês formal.

Nossos cérebros vão passear lá fora, mas podem não voltar

Reportagem interessante do Jornal O Globo deste domingo sob o título Diploma Estrangeiro mostra o crescimento do número de brasileiros indo para fora do Brasil para cursar programas de graduação.

Segundo a reportagem, quase 247 mil alunos foram estudar fora em 2016. Destes, 63 mil para cursar faculdade, ou seja, obter diploma de curso superior (e não de pós graduação, ou de língua estrangeira, o que ainda bem mais comum). O número de graduandos brasileiros no exterior em 2015 era de 42 mil, ou seja, um crescimento de 54% de uma ano para o outro. O que os especialistas consultados para a matéria disseram é que esse crescimento substancial é que algumas famílias (as que podem pagar, obviamente) estão querendo preparar seus filhos para carreiras globais, colocando-os em instituições de ensino que os preparem para uma competição em nível internacional.

Como eu e a maioria de meus amigos e familiares pensamos assim, ou seja, havendo disponibilidade financeira, iremos preparar nossos filhos em escolas de educação básica que os façam aprender e ralar muito, para que na universidade possam competir por vagas nas melhores universidades do mundo, gostaria de compartilhar com meus leitores porquê.

Teoricamente, nós vivemos em um país continente. Deveríamos ter universidades aqui produzindo muitos cérebros e ainda por cima ser um grande imã de talentos, dispostos a desbravar nosso País, dar bom uso a nossos recursos naturais, desenvolver nossa agricultura, etc.

SÓ QUE NÃO!

Só que as universidades brasileiras são de muito má qualidade, com raríssimas exceções, que, apesar de rankings fofinhos e generosos que colocam algumas poucas delas na primeira ou segunda centena (OMG!!! somos a 6º ou 7º economia do mundo) deles, de forma nenhuma podem ser comparadas com seus pares naturais. Ou seja: a melhor faculdade de medicina de um país do tamanho do Brasil deveria ter muito mais em comum com algumas das melhores universidades do mundo. Mas não. No máximo alguns departamentos, que contam com professores heróis, fazem convênios e pesquisas conjuntas com departamentos análogos em países desenvolvidos.

E porque isso? Falo pela minha experiência. As universidades públicas são extremamente mal administradas, tomadas pelo corporativismo do setor público, transformadas em cabides de emprego para funcionários de baixíssima produtividade e de professores que não fazem nenhum esforço pelo aprendizado de seus alunos.  As instituições privadas, por outro lado, são, na maioria, fábricas de diploma. Elas até adicionam algum conhecimento na cabeça dos alunos, mas em comparação, é quase o mesmo que uma pessoa aprende em uma escola de nível médio e qualidade rala em país desenvolvido.

Preparar aulas? Atualizar bibliografia? Usar a bibliografia que está na ementa de forma produtiva em sala de aula? Fazer aluno estudar muito e depois verificar se ele compreendeu por meio de produção escrita, que é revisada e devolvida para o aluno estudar de novo? Não, nunca! É a resposta mais comum que teremos a essas perguntas se formos fazer um levantamento sério com os alunos.

Pior, os alunos gostam do pacto de mediocridade. Eu finjo que vou à universidade, a sociedade paga nas públicas por meio de custeio ou de bolsas nas privadas e ninguém está nem aí. Quem realmente se preocupa, paga para os filhos ficarem longe das universidades brasileiras, como eu disse, com mínimas exceções, para que seus filhos peguem os melhores, e provavelmente os únicos, empregos que vão sobrar no mundo depois das 4ª Revolução Industrial.

Então o problema é bem grave: além de nossas universidades serem de péssima qualidade, o que tem impacto certeiro na formação de capital humano qualificado para resolver nossos problemas agora e no futuro, quem opta por estudar fora às vezes não volta: ou seja, perdemos o pouco capital humano local para países que o já te, de sobra. Isso se explica por alto capital humano ATRAI alto capital humano, apesar da competição. Quem volta, pega os melhores empregos e se mantém no poder, exatamente como faziam as famílias de maior renda na época do Brasil Colônia. Triste ver como caminhamos pouco na educação, apesar de termos nos auto-enganado muito.

 

MEC citando Sobral x CNE: um arremedo de vontade política sendo atacado pelo corporativismo desavergonhado

É chocante, mas ainda tem gente que, em plena luz do dia e ocupando cargo público, tem coragem de defender a escravatura cognitiva de crianças pobres.

Leiam esta notícia sobre a disputa do MEC com o CNE sobre a alfabetização, cujos destaques mostro a seguir:

Enquanto o MEC só tem coragem suficiente para dizer que o aluno vai estar alfabetizado até o fim do 2º ano do Fundamental, quando seus pares de países desenvolvidos já chegam ao 1º ano (quando estão por volta dos 6 anos) praticamente alfabetizados, apenas consolidando alguns processos, como ler palavras mais longas e desconhecidas e escrever textos usando palavras conhecidas escritas com correspondência fonética, o CNE resolve brincar de fazer oposição ao Governo Temer, jogando para sua própria claque inconformada e usando o interesse das crianças brasileiras como escudo.

Abaixo segue a posição do MEC, declarada por sua Secretária Executiva, Maria Helena Guimarães de Castro.

“Defendemos a alfabetização até o final do 2º ano, quando a criança tem 8 anos. A posição do CNE é diferente, mas por enquanto não há nenhuma decisão tomada.”

Vejam a posição do CNE:

O conselheiro do CNE Cesar Callegari reafirma que ainda não houve deliberação, mas este é um ponto de discordância. “O CNE não deliberou a respeito disso. É um tema que está sendo levantado nas audiências públicas, mas ainda vamos produzir pareceres que vão a voto. O CNE é contrário [à alfabetização no 2º ano], mas não houve deliberação. O assunto está em discussão.”

Como é que é, cara pálida?? O CNE é contrário à alfabetização ser concluída no 2º ano?? Baseado em que tipo de dado, informação, pesquisa??

Bom, eu também sou, mas porque as pesquisas e os dados de avaliação mostram que a maioria das crianças dos países desenvolvidos E AS CRIANÇAS QUE TÊM A SORTE DE MORAR EM SOBRAL, NO SERTÃO DO CEARÁ, APRENDEM, entre os 5 e 6 anos de idade, a decodificar as letras e sílabas, a compreender o que leem, a redigir textos simples e que fazem sentido para elas e seus pares!

Essa posição de deixar para os pobres o rebotalho é a cara da sociedade arcaica brasileira da qual queremos nos livrar. Que o CNE venha defender essa posição com base nos dados e no que se pratica em países desenvolvidos, civilizados e mais igualitários, que é o que a população brasileira quer ser um dia. Dizer que é contra porque os municípios vão reprovar as crianças é um argumento tosco: as crianças são reprovadas porque não sabem ler e, muito menos, escrever, mesmo em séries mais avançadas!

O que o CNE está tentando resguardar é o interesse de sindicatos de professores que não querem níveis mais ambiciosos de desempenho discente, porque isso fará todo mundo trabalhar mais e exporá seu despreparo garantido por escolas de professores que são máquinas de emitir diplomas ou de fazer lavagem cerebral. Com essa posição, o CNE defende também boa parte dos acadêmicos que usam de suas “pesquisas” com rigor metodológico suficiente apenas para sustentar suas posições politico-técnicas e de suas bibliografias mofadas e totalmente ultrapassadas, para garantir que ninguém tenha coragem de se interpor ou desmascarar suas “verdades” com dados empíricos e atualizados.

A matéria reproduz a posição chocante de “especialistas” que dizem:

Está em jogo, segundo especialistas, o embate entre usar os anos do ensino infantil para atividades lúdicas que estimulam os pequenos a reconhecerem sua identidade e se interessarem em aprender sobre o mundo, ou para estimular o aprendizado conteudista, visto por muitos adultos como sinônimo de sucesso profissional.

É só ler as publicações mais recentes sobre como as crianças aprendem e como se ensina educação infantil que se percebe que NÃO EXISTE MAIS A DICOTOMIA brincar x aprender, pois a concepção desta etapa é aprender brincando. O pior é que as pessoas que falam esse tipo de barbaridade usam pele de cordeiro – são modernas e progressistas, só querem limitar o que as crianças POBRES podem aprender para o bem delas. Educação infantil de qualidade custa caro, o dinheiro vai sair da pós graduação e vai para as salas de aula dos pobres: é isso que incomoda. Nada mais…

Que tal esta lista de referências para pelo menos os jornalistas entenderem do que estamos falando?

http://www.edu.gov.on.ca/kindergarten/EL2013ResourceList.pdf

Que tal estre trecho do Programa de Pre-escola de Ontário:

Play is a vehicle for learning and rests at the core of innovation and creativity. It provides opportunities for learning in a context in which children are at their most receptive. Play and academic work are not distinct categories for young children, and learning and doing are also inextricably linked for them. It has long been acknowledged that there is a strong link between play and learning for young children, especially in the areas of problem solving, language acquisition, literacy, and mathematics, as well as the development of social, physical, and emotional skills (NAEYC, 2009; Fullan, 2013; Ontario Ministry of Education, 2014c).

Young children actively explore their environment and the world around them through play. When children are exploring ideas and language, manipulating objects, acting out roles, or experimenting with various materials, they are engaged in learning through play. Play, therefore, has an important role in learning and can be used to further children’s learning in all areas of the Kindergarten program.

Vou entrar para o clube dos pessimistas: não há capital político no Brasil para lutar pela educação de qualidade

No dia 4 de agosto último, a TV Globo exibiu um Globo Repórter sobre educação e superação, contanto casos de como pessoas com perfis absolutamente distintos descobriram para si um mar de possibilidades pessoais e profissionais por meio da educação, para responder à pergunta: até onde a educação pode nos levar?

Eu sempre impliquei com esse tipo de reportagem, que aborda políticas públicas por meio de personagens, porque reforça o caráter individualista da superação pela educação escolar. Esse tipo de herói, que sobrevive e vence sozinho as condições de absurda desigualdade e pobreza no nosso Brasil do séc. XXI, normaliza o “cada um por si”. O País deveria estar se organizando (ou melhor, já estar organizado) para tornar a superação inter-geracional dessas mazelas por meio da educação a regra, jamais a exceção.

Antes de seguir, não posso deixar de fazer um parênteses, pois a superação da D. Alezina e D. Therezinha, personagens idosas do Globo Repórter de sexta, que aprenderam a ler e descobriram seus talentos, começando uma nova vida depois dos 70, 80 anos, mostra que a educação é sim para todos. Todo mundo merece uma educação de qualidade, que, não esqueçamos, é um direito humano universal!

Mas, voltando à edição do Globo Repórter, cuja produção – Assimina Vlahou e  Isabela Assumpção – está de parabéns, o viés fui justamente mostrar o desperdício de talentos e de capital humano pela falta da educação. E aí eles chegaram no único exemplo no Brasil que tornou a alfabetização de todos os alunos uma obsessão: Sobral. A partir da alfabetização, os alunos foram aprendendo cada vez mais e hoje a cidade apresenta o maior Ideb do Brasil nas duas etapas do ensino fundamental. TODAS as escolas de Sobral estão acima do esperado para a Prova Brasil. Infelizmente, por causa da cultura de mediocridade que nos assola, os indicadores nacionais exigem muito pouco dos alunos. Até isso agora Sobral vai inovar: a partir de um novo currículo de ensino fundamental (que meus leitores já conhecem) a nova obsessão vai ser alcançar seus pares em países desenvolvidos.

Mas a questão é que é só em Sobral. Minha tese de doutorado está estudando o caso. Já estou há 3 anos trabalhando em Sobral e estudando seus mecanismos de qualidade e não tem jeito: educação de qualidade é, antes de tudo, uma escolha política. Sem a escolha de enfrentar os interesses contrários, não se implementa nenhum programa, mesmo que já testado em outros lugares – muito menos por longos períodos no tempo. No discurso, todos são a favor de uma educação de alta qualidade. Mas na prática, quando a farinha é pouca, cada um garante seu pirão primeiro. Sindicatos não querem deixar que sejam criados parâmetros de aprendizado para os alunos ou de desempenho para os profissionais da educação. Empregadores de boa parte dos setores econômicos não querem abrir mão de mão-de-obra barata. Há famílias que não estão dispostas a fazer os sacrifícios ilustrados pela reportagem. E há muitos alunos que também sofrem de uma preguiça mental crônica, só que essa é justamente responsabilidade do sistema educacional resolver. Só acha que educação de qualidade é uma prioridade quem está exposto aos ambientes competitivos internacionais. Temos que concordar que é uma parcela mínima da população que realmente conhece o valor de uma educação competitiva e libertadores, mas que não tem, ou não quer usar, capital político.

A questão é que não há vontade política suficiente para resolver essa questão cara, trabalhosa, cujos benefícios não aparecem antes da próxima eleição. Se não damos conta de resolver com seriedade os problemas mais óbvios e urgentes com medo da conta de votos não fechar no próximo pleito, é claro que durante as próximas décadas não vai aparecer ninguém para vencer os interesses contrários aos do Matheus, André, D. Therezinha, personagens do Globo Repórter. Os políticos alinham-se a sindicatos e aos maiores empregadores, pois esses têm capilaridade para lhes conseguir votos, além de verbas para a campanha. Infelizmente, depois da minha tese estou entrando para o clube dos pessimistas. Só respiro otimismo quando vejo as luzinhas de Sobral na estrada da minha janela do Expresso Guanabara…

Respondendo ao Sérgio Chapelin: a educação brasileira vai nos levar até onde os políticos deixarem.