Precisamos de uma sociedade “educógena”

A expressão famílias educógenas foi utilizada pela primeira vez por Jean Floud, em 1961, no texto”Social Class Factors in Educational Achievement”, editado pela OCDE. A meu conhecimento, o único pesquisador brasileiro a fazer menção a ela é CASTRO (1976) que a define como famílias que se caracterizam por oferecer certo tipo de ambiente familiar favorável à educação (p. 73). Esse autor reconhece, entretanto, o caráter vago dessa noção no texto original da OCDE, mas ressalta a conclusão da autora inglesa de que esse tipo de família vai de tornando mais freqüente conforme se sobe na escala social.

NOGUEIRA, Maria Alice. A categoria” família” na pesquisa em sociologia da educação: notas preliminares sobre um processo de desenvolvimento. Revista Inter-Legere, v. 1, n. 9, 2013. (pg. 157)
Por causa da constatação de que o perfil educógeno das famílias (o qual apresenta alta correlação com a renda, mas não dependente dela, como se vê acima) pode ter um efeito no desempenho dos alunos para além das escolas, as provas padronizadas costumam submeter os alunos que as respondem a questionários de cunho sociológico para identificar este componente (família educógena) e separá-lo do efeito da escola.
Isso se dá para que possa ser feita uma avaliação mais justa das escolas e da diferenciação entre elas, inclusive nos famosos rankings. Portanto, é importante conhecer o perfil de seus alunos. Quanto mais famílias educógenas em uma escola, maior a chance de um desempenho médio mais alto, pois mais famílias dão sua contribuição material e comportamental para o sucesso acadêmico de seus filhos.
É por isso, por exemplo, que o Inep divulga o ENEM por escola por faixas de Nível Sócio Econômico (NSE).
Mas para se determinar isso em larga escala, foi preciso traduzir essa percepção em perguntas de questionário. As provas padronizadas no Brasil também adotam essa prática, embora sejam mais concentradas em avaliar a renda do que a prática educógena ou anti-educógena das famílias.
Resolvi usar os questionários do Pisa, que acho mais abrangentes e lógicos para esse propósito, e fazer uma comparação. Em primeiro lugar então, vamos ver o que é que o pessoal do Pisa resolveu perguntar aos participantes do exame, para além dos itens de conforto e conexão com o mundo que são mais comuns nos questionários brasileiros, com foco maior na determinação da renda das famílias:

Próprio quarto
Software educacional
Internet
Dicionário
Lugar tranquilo para estudar
Escrivaninha
Livros de texto
Literatura clássica
Poesia
Obras de arte
Quantos livros em casa
Instrumentos musicais

Fiz uma comparação entre países da Europa e América do Norte e os da América Latina participantes do Pisa e reforcei o que já esperava: os alunos de países desenvolvidos contam com domicílios muito melhor preparados para o bom desempenho escolar que os da América Latina. Todos esses itens estão relacionados a enormes diferenças de desempenho quando o aluno responde sim ou não sobre tê-los à disposição em casa. O que faz mais diferença é a quantidade de livros em casa: a diferença em ter poucos (0-15) e mais de 500 livros. Nos países da Europa e Am. do Norte a diferença é entre os dois extremos é da ordem de 100 pontos, na Am. Latina é bem menor, em particular no Brasil e no México, assim como é menor a proporção de famílias com muitos livros em casa, de acordo com a resposta dos alunos. É possível que famílias de renda mais alta até tenham livros em casa, mas os alunos não os lêem!

Não é só uma questão de renda, mas de cultura e valorização de hábitos acadêmicos. As famílias brasileiras precisam mudar de hábitos para poderem esperar mais de seus filhos do ponto de vista acadêmico e também para poderem exigir mais do governo!

 

7 Respostas

  1. Illona,
    Parabéns pelo seu indispensável blog. É uma benção para nós, professores e pais. No comentário na CBN, vc fez menção a outros números de livros nas casas, salvo engano, 250… E fez mais relações com desempenho do aluno.
    Proçede?
    Abs.

  2. Boa noite , eu gostei deste post e concordo plenamente com o que li. Será que posso compartilhar para meus amigos do Facebook? Obrigada.

    1. Claro! Os posts são públicos!

  3. Lembro de todos os dias meu pai ao chegar em casa me perguntava o que eu tinha lido no jornal. No começo eu relatava apenas as tirinhas e com o passar do tempo o caça palavras e as cruzadinhas foram ficando interessantes, até chegar as notícias de economia e da região. Hoje eu tenho certeza que essa foi uma das melhores coisas que ele fez para mim, mantenho o hábito de ler jornal, blogs, livros até hoje e quero passar esse valor para minha filha. Pena que muitas familias não tem esse costume.

    1. Que legal! Aqui em casa lemos os jornais na mesa do café e a minha filha pergunta muitas coisas sobre as notícias. Sempre explico, mesmo as mais difíceis, como a fota da capa de hj do Estadão com os presos nus, enfileirados… é impressionante como as crianças pequenas podem sim compreender o mundo dos adultos se tiverem vocabulário!

  4. Boa noite Ilona, concordo com sua ideia que devemos mudar os hábitos para obtermos maiores e melhores resultados de nossos filhos. Mas lhe digo que na atual sociedade em que vivemos fico pensando se isso é realmente possível, sou pai de um casal de filhos, e me preocupo muito com essas questão, principalmente considerando a região do país onde moro, que é a norte onde os índices educacionais não são os melhores. Porém acredito que essa problemática de não ter o hábito da leitura seja cultural mesmo, são barreiras que precisam ser quebradas, para podermos avançar como um país melhor.

    1. Se não mudamos nossos hábitos, não mudamos nosso futuro. Dá muito mais trabalho criar filhos que sabem pensar e com disposição para melhorar o mundo, mas é muito mais legal e nos deixa muito mais recompensados!

Obrigada por enviar seu comentário objetivo e respeitoso.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: